Vinhos Mapa

OPINIÃO
 
O Pedro Garcias é produtor de vinhos no Douro mas, como também é jornalista, sempre evitou falar do seu projecto familiar com os colegas de profissão por questões deontológicas. Eu percebo, também sou jornalista, mas quando os vinhos são mesmo bons, já não há como não falar deles só porque ele é jornalista. Continuei a insistir dizendo que queria provar os vinhos mas ele, firme e hirto, nunca enviou garrafas, informações ou fotografias aos colegas. No entanto, na sua pequena empresa, é ele quem faz tudo. Por isso, para provar os vinhos que ainda não conhecia tive de o apanhar desprevenido numa prova que a Garcias organizou em Lisboa, e que juntou os produtores / clientes desta distribuidora. Na banca do Pedro pude provar o Mapa que já conhecia, mas também os brancos Mapa Moscatel Galego 2016 (com um perfil completamente diferente da casta, aqui seco e muito mineral); o Mapa Vinha dos Pais 2015 (com Arinto, Gouveio, Rabigato e Viosinho, mineral, estruturado e com excelente acidez), e o Mapa Vinha Clara 2016 (uma novidade com as castas Arinto e Viosinho, um branco muito fresco, como os restantes). No entanto, foi o rosé que mais me surpreendeu. Elaborado com Tinto Cão, este mapa deve ser o único rosé que conheço com esta casta. Com boa presença e acidez, é um dos rosés mais vivos que já provei até hoje em Portugal. Seco, muitíssimo gastronómico, por isso obrigatório de beber com comida. 
Devido a interrupções variadas, acabei por não conseguir provar os tintos Flor de Mapa , Mapa e Mapa Reserva Especial. Fica para a próxima Pedro, dás-me um bocado de trabalho, ‘a ver’ se te consigo apanhar novamente desprevenido outra vez um destes dias.
 

Abr, 17, 2017

0

SHARE THIS