A adega modernista do Château Les Carmes Haut Brion

 

A visita ao último Château (Les Carmes Haut Brion) não podia ter corrido melhor, com as últimas uvas a serem trabalhadas na adega, um ícone de modernidade.

Estas são as únicas vinhas situadas na área urbana da cidade de Bordéus. A propriedade data do século XVI, tem uma casa antiga, linda e completamente restaurada, e ainda uma adega design que surpreende e contrasta com o clássico, mas enquadrada perfeitamente na paisagem. A adega começou a ser construída em 2010, altura em que Patrick Pichet, um grande empresário do ramo imobiliário, adquiriu a propriedade com o sonho de produzir um dos melhores vinhos de Bordéus. Pichet, que além de grande enófilo é também um apaixonado por design, convidou o famoso designer Philippe Starck e o arquitecto arquitecto Luc Arsène-Henry para desenhar e construir a nova adega, actualmente uma das mais modernas e bonitas deste género.

O nome Carmes vem da congregação de freiras carmelitas, que receberam parte das vinhas como doação de seu primeiro proprietário, Jean de Pontac, que viveu até os 101 anos de idade, em pleno século XVI (das duas uma: ou o homem era ruim, ou o vinho daqui é mesmo bom!) Antes de falecer, doou um grande moinho com prados e trepadeiras adjacentes à Ordem Carmelita, que a teve em seu poder durante mais de dois séculos. Este paraíso natural tinha um suprimento ilimitado de água pura graças a uma nascente que alimentava uma fonte chamada d'Eubrion (daí o seu nome). Assumida pelo Estado durante a Revolução Francesa, a propriedade foi vendida em 1840 a Léon Colin, um comerciante de vinhos de Bordéus, descendente da família Chantecaille. O ramo Chantecaille-Furt administrou a propriedade até 2010. A partir dessa data, o château foi comprado pelo grupo imobiliário Pichet.

 
 

Out, 23, 2018

0

SHARE THIS