Ele já me tinha avisado…

Ele já me tinha falado destes vinhos mas eu já não me lembrava bem deles. Lembrava-me de os ter provado há anos e dele me dizer que tinha obrigatoriamente de os voltar a provar. Ele, é o António Sousa, reconhecido enólogo da região dos Vinhos Verdes e consultor da Casa de Vilacetinho (entre outros) produtor já com uma longa história e com vinhos de qualidade. Entre o mar de vinho que me chega ao escritório para provar, o tempo foi passando e nunca mais me lembrei de os procurar ou de lhe ligar a pedir. Nem ele se lembrou de mos enviar. Até que finalmente alguém da comunicação se lembrou de desbloquear a coisa e me fez chegar às mãos três vinhos deste produtor. E ainda bem, tardou mas valeu a pena!

Todos os vinhos são novas colheitas: Casa de Vilacetinho Avesso e Alvarinho 2017, Casa de Vilacetinho Avesso Superior 2016 e Casa de Vilacetinho Grande Escolha 2017. Destes, o mais interessante na prova foi o Avesso e Alvarinho, que se mostrou mais complexo e estruturado dos três, fresco e gastronómico, com as notas do Alvarinho a darem-lhe muita graça. Já o monocasta de Avesso, embora mais austero, revelou-se também um vinho bastante interessante, mineral e estruturado. Por último, o Grande Escolha, um vinho elaborado com (Avesso, Arinto, Azal e Loureiro), com um perfil vivo, frutado e mineral, e um sabor fresco, leve e envolvente (apesar de ser mais simples que os outros).

A Casa de Vilacetinho situa-se na freguesia de Alpendurada, no concelho de Marco de Canavezes. Ali, os solos são graníticos, os ventos atlânticos e as amplitudes térmicas variáveis, dando origem a vinhos diferenciadores, até porque o contexto da região já é quase Douro. Daí ser também berço de eleição para a Avesso, actualmente uma das castas mais plantadas da zona, e a ganhar cada vez mais importância de dia para dia.

Além de António Sousa, a equipa é ainda composta por outros dois enólogos, Fernando Mouro (também consultor) e José Manuel Antunes (residente). Good job team!

 

Jun, 18, 2018

0

SHARE THIS