Porque é sempre bom recordar


O Paulo Laureano foi o primeiro enólogo que conheci no século passado :) , e a Herdade do Mouchão, o primeiro lugar onde fiz vindimas. Nos anos seguintes, fiz vindimas noutras adegas e regiões, mas continuei a ir ao Mouchão, porque nada substituía a apanha tradicional e a pisa nos lagares ao som dos cantares do senhor Saias, o adegueiro. Esta foto que aqui coloquei não é mais do que um pequeno resumo feliz desses anos, numa reportagem que fiz com a querida fotógrafa Ana Baião, já a trabalhar no jornal Expresso. Nesse dia, fomos também à Herdade da Calada (na foto, com o Paulo Laureano) que na altura estava na berra por ter uma adega que trabalhava por gravidade. A reportagem era exactamente sobre os métodos tradicionais versus novos métodos tecnológicos na produção de vinhos. Na Herdade da Calada, estive também a pisar uva moscatel (para um licoroso) num lagar de inox no interior de uma câmara refrigerada...um gelo!!!
  
 

Jan, 27, 2018

0

SHARE THIS